Jesus - A Tecnologia da Informação e os milagres

    Atualmente uma das piores enfermidades que esta alojada em nós se chama "ansiedade", e a ansiedade consequentemente gera em nós a pressa, precisamos estar correndo, "agitando" as coisas em todo o tempo e isso chega parecer uma necessidade nossa, foi quando parei para refletir se em algum momento da sua vida aqui na terra Jesus se comportou desta forma. E vejo que não, Cristo não deixou a enfermidade da ansiedade e da pressa o atacar. Cristo não estava o tempo todo ansioso, nem muito menos receoso. 
       A ansiedade nos consome aos poucos, ela nos faz ter ânsia de chegar logo a algum local, ou fazer algo de imediato, se não fazermos ou se não conseguirmos esse "algo" de imediato, logo ficamos incomodados. Eu preciso, eu preciso e eu preciso - Este poderia ser o lema do ser-humano de hoje. A tecnologia foi tão amiga quanto uma inimiga prejudicial, a agilidade e rapidez de informações que atualmente são geradas nos fazem querer alcançar o alvo o mais rápido ainda. Nos faz querer ter algo o mais breve possível. Esperar? Jamais. Entretanto, fico imaginando então, como era a vida de Cristo enquanto esteve nesta terra? Como era gerada as informações necessárias? Cristo mandava uma mensagem do seu iPhone para os discípulos: "Bom dia pessoal! Que tal um rolé por Samaria hoje a tarde? :)", óbvio que não,  não foi fácil para Ele como está sendo para nós, naquela época o evangelho era pregado por palavras, por fala. Cristo andava e pregava. Cristo sentava e uma roda de pessoas o rodeavam para ouvi-Lo falar as boas novas. Cristo atraia multidões de curiosos e sedentos. Cristo era a "ação do evangelho", não era um evangelho parado e dependente da tecnologia e de meios práticos como o é hoje.  "Estou cansado demais para andar por aí falando com desconhecidos" "Para que vou soar a camisa evangelizando o bairro hoje, afinal, o calor está de matar! prefiro ficar na sombra" "Não tenho paciência para ficar atendendo pessoas que ficam me rodeando" "Publiquei um versículo na minha rede social e está muito bom, já fiz minha parte com Deus". Bem, esses costumam ser os pensamentos do Cristão de hoje. Cansado demais. Preguiçoso demais. Impaciente demais. Prático demais.  Imagine se Cristo procedesse desta forma naquela época, o que seria de nós hoje? "Simão, fale para essa galera que hoje estou de folga, nada de papo, nada de curas e milagres. Hoje vou sentar debaixo daquela figueira e tirar um cochilo", imagine se Cristo, ao invés de ter curado Bartimeu, tivesse batendo um papo por mensagem - "Espere eu só terminar de compartilhar um vídeo aqui no 'grupo' dos fariseus". Estivesse cansado demais para ouvi-lo. Estivesse ocupado demais para atendê-lo. Imagine se Cristo, ao invés de ter ido ver a filha de Jairo, tivesse dito "Que tal amanhã  a tarde, meu amigo?", em que a Bíblia seria fundamentada? Num Cristo desatento e preguiçoso. Num Cristo irresponsável com o seu Pai Celestial. Mas Ele não procedeu desta forma, nem sequer imaginou, acredite. Mas, e nós servos do Senhor? a ansiedade precisa dar lugar a longanimidade. A pressa precisa dar lugar a calma e a paciência. Cristo não andava pelas ruas apressado - "Vamos rapazes, tenho que chegar a Jerusalém o mais cedo possível, depois atendo essa gente". Cristo insistia em parar para atender a todos. Desde um cego moribundo na beira da estrada, a um coxo na beira de um tanque milagroso.  Se inclinava para uma mulher enferma há anos, e se importava em atender a um pai desesperado pela morte da filha. "Eu vim para que tenham vida, e vida com abundância", Ele diz. Cristo se importa. Cristo se comove. Cristo chora. Você se lembra da lágrima que escorreu em seus olhos quando seu amigo Lázaro jazia morto há três dias?, sim, você sabe, "Jesus chorou". Mas Ele não chorou apenas, Ele se deu muito mais do que uma pequena lágrima no olhar, Cristo deu a Palavra e Lázaro ressuscitou. A morte não tem poder quando ela encontra com o Senhor da vida. Ela simplesmente O obedece. A enfermidade não tem poder contra o Senhor da cura. Nem a tristeza pode lutar contra o Senhor que concede a alegria. Este é o Evangelho vivo - Jesus Cristo. Para operar tais maravilhas Ele não precisou de um belo Smartphone e nem de um notebook última geração. Não precisou mandar e-mails para os discípulos nem mensagens para Simão. Não precisou postar em sua rede social "Não percam!Venham me encontrar próximo ao mar da Galileia às 19 horas". Cristo usou apenas suas mãos, suas Palavras e claro, sua disponibilidade e paciência com o seu chamado.
     Estou escrevendo isto, mas sei o quão difícil é sermos semelhantes a Cristo. Precisamos orar ao Pai para que nos ajude a abrir mão de nossa ansiedade e vaidades, e que nos torne a cada dia, semelhantes ao Seu Filho Jesus.

(Lairrana P.Teles - 17/12/2015_O dia em que o whatsApp parou)

Comentários

Postagens mais visitadas