Permanecendo até o fim

 Enquanto escrevo essa mensagem, estamos nos aproximando de um novo ano, e parece que, para aqueles que seguem a Cristo e o servem, ano novo vira sinônimo de "promessas". Os crentes ajoelham em suas igrejas na noite da virada do ano e enchem os céus de promessas. "Neste novo ano vou orar mais pelas madrugadas". "Nesse novo ano vou falar menos e ouvir mais". "Nesse ano que se inicia prometo que não falarei mal do meu irmão". "Deus, prometo que não serei teimoso e nem rebelde". "Prometo que trabalharei mais para a obra de Deus"... Enfim, podemos incluir muitos modelos de promessas.  Você já as fez, sem dúvidas, eu já as fiz. Antes mesmo de percebermos, já estamos enchendo nosso coração de promessas. "Preciso melhorar mais", pensamos. Algo em nossa vida espiritual não está bem, algo ainda não está nada bom, sentimos um Deus distante e reprovador de alguns comportamentos que adotamos. Nesse momento enquanto escrevo isto estou me sentindo assim, um pouco distante. Um dia estamos cheios demais. Outros, vazios demais. Um dia avivados demais. Outros, desanimados demais. Vivificados, todavia, ao mesmo tempo mortos espiritualmente. Se parar e pensar você verá que não é constante em Deus. Um dia você está no topo espiritual, agradando a Deus e a todos, ganhando um sorriso de Cristo e aplausos dos anjos, em outro momento você está lá em baixo no mais profundo limite da escassez espiritual, nada para dar, mas necessitando ganhar. 
Preciso de uma Palavra de encorajamento.
Preciso de um consolo. De um abraço.
Preciso de Cristo novamente.
Será que em dias assim, em que estamos tão lá embaixo, é que enxergamos que precisamos mais de Cristo?  Vemos então que não somos auto-suficientes. Não somos santos o bastante. Não somos "crentes" o suficiente. Por falar nisso, várias vezes me peguei fazendo essa auto-promessa: "Preciso ser mais crente", mas, o que é ser "mais crente" do que já sou? É ser constante em Deus. É não me deixar cair, e sim, permanecer com Cristo até o fim.
 Até o fim. Não é fácil. Nunca será. Ele disse "No mundo tereis aflições..." Tais aflições que podem inevitavelmente nos afastar de Deus e nos colocar lá embaixo. Tais aflições que nos colocam numa posição inferior e nos fazem saber que nada somos sem Ele. Mas Cristo não para por aí, Ele prossegue "...Mas tende bom ânimo, eu venci o mundo". 
Cristo venceu ontem. Vence hoje, e vencerá eternamente. Por isso que somente nEle estamos firmes quando tudo chega ao fim. Ser "mais crente" é prosseguir constante, até o fim nessa promessa, não em nossas próprias promessas, mas na dEle. "Eu venci o mundo", Ele afirma. 
Apenas ame mais quem fez A Promessa. Se apegue mais no Prometido Cristo. Suas promessas são fieis e Ele nunca falha. 

"Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças."
Deuteronômio 6:5.

Comentários

Postagens mais visitadas